Biografia

Helena de Sousa Freitas nasceu em Lisboa, em 1976, e cresceu em Setúbal, onde reside.

Autora dos ensaios Jornalismo e Literatura: Inimigos ou Amantes? (2002), Sigilo Profissional em Risco (2006) e O DN Jovem entre o Papel e a Net (2011), tem também publicado poesia, conto e crónica em obras colectivas, em Portugal e no estrangeiro, e recebido diversos prémios literários.

Desenvolve trabalho na área da tradução e da revisão e colaborou, entre outros, com o Festroia – Festival Internacional de Cinema de Setúbal, o Muvi Lisboa – Festival Internacional de Música no Cinema e o Festival Literário de Macau – Rota das Letras.

Iniciou-se no jornalismo em 1996, começando por trabalhar na imprensa local de Setúbal e, entre 1998 e 2017, fez parte dos quadros da Lusa – Agência de Notícias de Portugal. Um dossier sobre e-books realizado ao serviço da agência valeu-lhe o Prémio Editorial Sociedade da Informação 2010, promovido pela APDSI.

Licenciada em Comunicação Social (ESE-IPS), pós-graduada em Direito da Comunicação Social (FD-UL) e mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação (ISCTE-IUL), concluiu em 2019, com distinção e por unanimidade de um júri de oito elementos, o seu doutoramento em Ciências da Comunicação no ISCTE-IUL.

Em 2011, estreou-se atrás das câmaras com a curta-metragem Setúbal, Cidade Verde, distinguida com o Prémio do Público no IV Festival Curtas Sadinas.

Com um gosto especial pela fotografia, participou em várias exposições colectivas. A sua primeira mostra individual, Fungi, composta por mais de 50 imagens de cogumelos, esteve patente na Herdade do Freixo do Meio, em Montemor-o-Novo, em 2015.

Ecologista convicta, tem sido voluntária em diversos projectos de protecção do ambiente, desde Um Lar para a Cegonha Branca, do FAPAS, até ao GARRRBAGE (Grupo de Acção pela Recolha, Reabilitação e Reutilização de Bens Aproveitáveis – Gerações Ecologistas), passando pela Quercus e pelo GISA (Grupo de Intervenção e Sensibilização Ambiental).

A sua acção cívica valeu-lhe o título de Herói do Ano, atribuído pelo Montepio e a revista Visão, em 2015, e o Prémio Teresa Rosmaninho – Jovem Líder, atribuído pela União Soroptimist Internacional de Portugal, por proposta do Clube Soroptimist de Setúbal, em 2016. No ano seguinte, foi nomeada Embaixadora de Setúbal, pela Câmara Municipal desta cidade.